Banner
Sábado, 18 de Novembro de 2017 - 14:26
Jornalista Resp.: Cezar Miranda - Diretor: Karlos Bernado - Telefone: (67) 9677-0757
UCP 2018

Notícias


Candidatura de Esacheu Nascimento à presidência da Santa Casa seria ilegal

Data da publicação: 13/11/2017 à00 15:11


Candidatura de Esacheu Nascimento à reeleição para a presidência da Associação Beneficente de Campo Grande, administradora da Santa Casa, seria ilegal, segundo a chapa concorrente, encabeçada pelo economista Alfredo Sulzer. Isto porque Esacheu já teria sido eleito por duas vezes, sendo primeiro como vice-presidente da instituição na gestão de Wilson Teslenco e depois como presidente pelos últimos dois anos.

Apenas dois candidatos disputam o cargo de presidente do maior hospital do Estado, sendo Esacheu Nascimento, o atual presidente, e seu ex-aliado, Jesus Alfredo Ruiz Sualzer, que deixou o cargo de vice-presidente por não concordar com a administração de Nascimento.

Sulzer afirmou ao Portal Correio do Estado que a candidatura irregular já foi judicializada, mas ainda não houve decisão.

“A pretensão dele é ilegal, do ponto de vista estatutário ele não poder nem ser candidato, essa candidatura é ilegitima. A questão está com a justiça, assim como o fato de que estavam exibindo filmetes de campanha via WhatsApp, utilizando material e funcionários da Santa Casa”, explicou Sulzer.

Além da ilegalidade da candidatura, chapa concorrente também recorreu à justiça solicitando suspensão da eleição, em função de irregularidades apontadas no processo. Juiz deu parecer favorável e determinou que a eleição seja realizada em duas urnas separadas.

Atual administração do hospital teria repassado duas listas com nomes de associados aptos para a eleição, sendo 126 nomes indicados no dia 1º de novembro, 131 nomes no dia 9 de novembro e outro documento constando 172 asssociados.

Com a decisão judicial, primeira urna acondicionará votos dos associados constantes na listsa de 1º de novembro e, a outra, os nomes incluídos na data posterior. Apuração também ocorrerá separadamente.

“É lamentável que isso tenha acontecido, a iniciativa desrespeitou o edital. Era claro que no dia do registro da chapa a gente receberia uma listagem dos associados habilitados a votar, tanto inadimplentes como adimplentes e um dia antes das eleições distribuíriam a relação onde os que estavam inadimplentes e teriam pago estariam habilitados a votar, mas não fugindo da listagem que foi apresentada”, explicou Sulzer, afirmando que acréscimo de nomes foi uma manobra da chapa adversária para tentar impor um número maior de votantes.

Como ainda não houve julgamento quanto a irregularidade da candidatura, eleições devem ocorrer conforme normalmente, a partir das 18h de hoje, conforme determinação judicial.

“Estou otimista e acho que se eles não soubessem das nossas possibilidades não teriam feito o que fizeram. Essa manobra de aumentar o número de eleitores é de quem está desesperado, de quem está com medo de perder”, avaliou Sulzer.

ELEIÇÃO

A eleição está prevista para começar às 18h e deve seguir até às 20h. Nova presidência vai administrar, em 2018, orçamento superior a R$ 243 milhões apenas em repasses do Sistema Único de Saúde (SUS).

No trâmite do processo de eleição, primeiro está prevista a escolha de novos conselheiros. Nove das 18 vagas estão abertas e podem ser decisivas para definir o novo presidente. Isso porque o Conselho de Administração é responsável pela escolha de quem vai exercer o cargo nos próximos dois anos. 

A eleição do presidente deve acontecer após os nove conselheiros eleitos serem anunciados. Mas a posse no cargo maior da instituição será apenas no dia 13 de janeiro de 2018. 

 

Fonte:Assessoria.


Busca
Último evento
Entrevistas