Banner
Terça, 21 de Agosto de 2018 - 07:51
Jornalista Resp.: Cezar Miranda - Diretor: Karlos Bernado - Telefone: (67) 9677-0757
ucpooo

Notícias


Número de investidores em Bitcoin chega perto de 1,4 milhão no Brasil

Data da publicação: 12/02/2018 à00 11:11


A quantidade de brasileiros que optaram em investir em criptomoedas – tendo o bitcoin como protagonista – é próximo de 1,4 milhão, mais do que o dobro do número de CPFs cadastrados na Bolsa brasileira, a B3, hoje na casa de 620 mil. Se mantido esse ritmo, o número dos compradores deste tipo de ativo ultrapassará, em breve, o volume de investidores do Tesouro Direto, que vem comemorando números recordes, atualmente em cerca de 1,8 milhão.

O volume financeiro movimentado no ano passado pelas criptomoedas foi de R$ 8,2 bilhões. O bitcoin virou febre após sua cotação chegar a US$ 20 mil – uma valorização de 1.400%. O interesse se mantém em 2018, mesmo após a queda brusca no valor, que chegou a US$ 6,9 mil na segunda-feira passada (5).

A nova notícia é que, agora, os olhos do mercado financeiro tradicional estão voltados para quando parte desses investidores migrarão seus recursos para valores mobiliários, como as ações de empresas negociadas em Bolsa.

Perfil – Essa aposta tem razão simples. Segundo dados das corretoras de criptomoedas, o grupo dos investidores de bitcoin no Brasil é formado em grande parte por homens solteiros, entre 25 e 35 anos – exatamente um público que, de acordo com economistas, pode investir em maior peso em ações.

Esse perfil responde hoje por aproximadamente 25% dos investidores da B3, considerando o número de contas abertas. Há ainda o público feminino, de potencial crescente. “Quem começou a investir em bitcoin está começando a se acostumar com volatilidade. Depois de vários anos de altas taxas de juros, agora o jovem parece aceitar bem esse risco”, afirma Luiz Roberto Calado, economista da corretora Mercado Bitcoin – que já está próxima de alcançar, sozinha, 1 milhão de clientes.

Além do gostinho que ficou da valorização da moeda no ano passado, contribui para o crescimento rápido desse mercado a possibilidade de compra de uma fração de moedas digitais, com aportes baixos, de R$ 50 por exemplo. Ou seja, não há a barreira que existe em outros ativos financeiros, diz o especialista em criptomoedas da XP Investimentos, Fernando Ulrich, que chegou à XP em novembro. “Hoje, o perfil dos investidores já é muito mais pulverizado.”

 

Fonte:Assessoria.


Busca
Vídeos
Último evento
Entrevistas