Banner
Sábado, 21 de Setembro de 2019 - 18:02
Jornalista Resp.: Cezar Miranda - Diretor: Karlos Bernado - Telefone: (67) 9677-0757

Notícias


Com 2º caso de sarampo confirmado, faltam vacinas na rede privada de MS

Data da publicação: 10/09/2019 à00 10:42


Mato Grosso do Sul registrou ontem o segundo caso confirmado de sarampo. Desta vez, a vítima é um bebê, de 10 meses, que mora em Campo Grande. Outro caso já havia sido registrado em Três Lagoas, num homem, de 52 anos. Com o avanço da doença, muitas pessoas têm procurado clínicas particulares para tomar a vacina. No entanto, os estabelecimentos estão com os estoques zerados desde o mês de julho. Na rede pública, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) garante que não faltam vacinas no estoque, apenas “falhas pontuais, por questões de logística”.

Conforme o médico pediatra Alberto Jorge, que é diretor técnico de uma clínica de imunização na Capital, a vacina está em falta há meses e não há previsão de chegada de doses para a rede particular. “Já estamos há algum tempo sem a vacina, porque a demanda está muito grande. Imagino que o Ministério da Saúde tenha uma cota de compras e aí falta para as clínicas privadas, realmente está em falta em todo o País. Quem precisar se imunizar precisa procurar um posto de saúde público e é importante fazer isso logo”, alerta o médico.

O Correio do Estado procurou pela vacina nas três  maiores clínicas da Capital e em nenhuma delas havia a tríplice viral, que custa, em média, R$105, nem a tetraviral, cujo valor é de aproximadamente R$ 320. 

Ainda de acordo com o médico, diante do surto da doença em estados vizinhos, é inevitável que o sarampo atinja a população de Mato Grosso do Sul. “Com certeza, é motivo para preocupação, porque o sarampo é uma doença viral, altamente contagiosa, como está numa progressão muito grande na cidade de São Paulo, por exemplo, é inevitável que tenhamos casos aqui na nossa cidade e no Estado”, explica.

Segundo Jorge, a principal orientação é evitar locais públicos fechados, aglomerações e lavar as mãos, além disso, ao menor dos sintomas, o paciente deve procurar um médico. “Em qualquer caso de febre persistente, vermelhidão nos olhos, coriza, manchas na pele, melhor procurar ajuda médica. Porque é uma doença contagiosa e pode causar complicações, como encefalite e pneumonia, além de levar à morte”, diz.

REDE PÚBLICA

A Sesau informou que a vacina está disponível em todas as unidades de saúde da Capital, com exceção de uma dose específica para crianças de seis a nove meses, que é aplicada em unidades de referência. A secretaria afirmou que “podem ocorrer falhas pontuais, por questões de logística”. “Por exemplo, a pessoa pode chegar a uma unidade e não ter vacina naquele momento, mas o estoque é reabastecido imediatamente”, explicou. 

CASOS CONFIRMADOS

O primeiro caso de sarampo confirmado neste ano em Mato Grosso do Sul foi em Três Lagoas, no dia 4 de setembro. Um homem esteve em São Paulo e na volta apresentou os primeiros sintomas da doença (manchas e erupções cutâneas, sintomas típicos da doença). Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES),  “em razão do fato de o paciente estar em Guararema (SP) durante o período de transmissibilidade, não ocorreu a circulação do vírus no município de Três Lagoas. Não há risco da transmissão do vírus referente a esse caso”, informa.

O segundo foi confirmado ontem, após testes realizados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) sobre o caso de um bebê de 10 meses. A criança também viajou para o estado de São Paulo, em agosto, e quando voltou para Campo Grande começou a apresentar os sintomas. 

Os casos são considerados “importados”, já que as vítimas contraíram a doença fora de Mato Grosso do Sul. 
No mês de agosto, um grupo de 90 pessoas foi vacinado contra sarampo em Campo Grande, depois da descoberta de que um médico que passou uma semana na cidade estava com a doença. Apesar de o contágio ter ocorrido em São Paulo, estado de origem do paciente, as autoridades decidiram imunizar quem teve contato com ele para evitar casos por aqui. Este caso não entrou para as estatísticas de MS.

Em todo o Estado, três casos ainda estão em investigação, sendo dois deles na Capital. Foram 35 casos notificados em MS e 30 já foram descartados. 

IMUNIZAÇÃO

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Saúde afirmou que recebeu 23,7 mil doses extras da vacina e distribuiu aos municípios.

Todas as crianças com a faixa etária estabelecida pelo Ministério da Saúde devem receber a chamada dose zero contra o sarampo, principalmente as que vão viajar para estados com casos confirmados da doença.

No Brasil, são 2.331 casos confirmados de sarampo em 13 estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Santa Catarina, Distrito Federal, Bahia, Paraná, Maranhão, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Sergipe, Goiás e Piauí.

A vacina é a única forma de evitar o contágio da doença. Profissionais da saúde afirmam que os sintomas do sarampo aparecem em trio: 1) febre alta, acima dos 38,5°C; 2) exantema – “pintinhas vermelhas” pelo corpo, iniciando sempre pela cabeça; e 3) tosse, coriza ou conjuntivite.

 

Fonte:Assessoria


Busca
Vídeos
Último evento
Entrevistas