Banner
Domingo, 20 de Outubro de 2019 - 06:23
Jornalista Resp.: Cezar Miranda - Diretor: Karlos Bernado - Telefone: (67) 9677-0757

Notícias


A greve global pelo clima, marcada para esta sexta (20) em 150 países, deve atrair milhares de manifestantes que exigem medidas concretas para frear as emissões de gás carbônico e

Data da publicação: 20/09/2019 à00 09:53


A greve global pelo clima, marcada para esta sexta (20) em 150 países, deve atrair milhares de manifestantes que exigem medidas concretas para frear as emissões de gás carbônico e combater o aquecimento global.

As manifestações ocorrem um dia antes de começar a Cúpula pelo Clima, da Organização das Nações Unidas, que deverá ocorrer de 21 a 23 de setembro, em Nova York.

A Greve pelo Clima tem origem no "Fridays For Future" (Sextas-feiras pelo Futuro, em inglês), que ganhou repercussão com a adolescente sueca de 16 anos Greta Thunberg. Desde 2018, Greta falta às aulas nas sextas-feiras para protestar pelo clima. A iniciativa rendeu a indicação ao Prêmio Nobel da Paz e fez com que diversas outras greves se espalhassem pelo mundo. No Brasil, ao menos duas mobilizações tiveram repercussão nacional, uma em março e outra em maio.

Estão programados mais de 5 mil eventos em todo o mundo em 150 países, em uma sequência que deve terminar com uma manifestação em Nova York, informou a agência France Presse (AFP). O líder espiritual dos budistas tibetanos, Dalai Lama, publicou uma mensagem na sua conta oficial do Twitter apoiando as manifestações. "Esta é provavelmente a geração mais jovem que tem sérias preocupações com a crise climática e seus efeitos no meio ambiente. Eles estão sendo muito realistas sobre o futuro. Eles veem que precisamos ouvir os cientistas. Nós devemos encorajá-los.", afirmou.

Os primeiros eventos da greve aconteceram nas ilhas Vanuatu, Salomão e Kiribati, territórios ameaçados pela elevação do nível do mar devido ao aquecimento climático.

 
 

Cientistas criam 'atestado' para estudantes levarem às escolas como justificativa em dia de greve pelo clima Na Austrália, crianças e jovens da região do Pacífico se reuniram nas ruas para se manifestar. De acordo com a rede CNN, os organizadores disseram ter atraído mais de 300 mil pessoas em mais de 100 cidades. Melbourne teve o maior protesto, com 100 mil pessoas, segundo os organizadores citados pela CNN. Em Sidney foram 80 mil e em Brisbane, 30 mil. Não há informações sobre números divulgados pelas autoridades destes locais.

Na Alemanha, a manifestação atraiu cerca de 80 mil pessoas, segundo os organizadores. Manifestantes subiram sobre blocos de gelo embaixo de uma forca improvisada para alertar sobre os riscos do aquecimento global. O protesto ocorreu em frente ao portão de Brandemburgo, em Berlim.

De acordo com a AFP, nesta sexta os partidos da coalizão do governo da Angela Merkel chegaram a um acordo sobre a estratégia climática, que inclui medidas para diminuir as emissões de gás carbônico e uma verificação anual das taxas. A AFP informa que estão previstos investimentos de pelo menos 100 bilhões de euros até 2030. Paralelamente, pretende-se acelerar o desenvolvimento de energias limpas (solar, eólica ou biomassa), subindo a 65% em 2030 contra 40% atualmente.

Na Inglaterra, estudantes empunharam cartazes em Londres com mensagens contra políticos e em apoio à greve. "Estamos perdendo aulas para te ensinar uma lição", dizia o cartaz de uma das jovens manifestantes.

Na Polônia, ativistas fizeram uma performance enrolados em plásticos para criticar o consumo e a ameaça que o atual modo de vida representa à natureza. O protesto ocorreu na capital do país, Warsaw. Também houve registro de manifestação em Lodz, terceira maior cidade polonesa, e em Poznan.

 
 

Nesta quinta, Greta divulgou um vídeo em suas redes sociais convocando as manifestações. "É manhã no Pacífico. Em breve o sol nascerá na sexta-feira, 20 de setembro de 2019. Boa sorte Austrália, Filipinas, Japão e todas as nações das Ilhas do Pacífico. Vocês vão primeiro! Agora mostre o caminho! Boa manifestação!", escreveu.

Nestas ilhas, as crianças e jovens estudantes cantaram "não estamos fugindo, estamos lutando", informou a France Presse.

"Estamos aqui para mandar uma mensagem aos poderosos, aos políticos, para lhes mostrar que estamos preocupados e que isto é realmente importante para nós", disse à AFP Will Connor, um jovem de 16 anos de Sidney.

 

Fonte:Assessoria


Busca
Vídeos
Último evento
Entrevistas