Banner
Sexta, 22 de Novembro de 2019 - 23:04
Jornalista Resp.: Cezar Miranda - Diretor: Karlos Bernado - Telefone: (67) 9677-0757

Notícias


Por mesmo repasse, Santa Casa deve aumentar cirurgias

Data da publicação: 08/11/2019 à00 11:14


A Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) já encaminhou proposta para o novo contrato entre a Santa Casa e a Prefeitura de Campo Grande para prestação de serviços. O valor continua o mesmo, aproximadamente R$ 294 milhões por ano, porém, o que a administração pede é que o hospital dê mais atenção às cirurgias eletivas e equilibre a quantidade de procedimentos feitos pela urgência e emergência com os que têm data marcada.

“Nós fizemos proposta de mais serviços, com foco muito grande na questão ambulatorial, nas especialidades, para poder abrir caminho para as cirurgias eletivas. Nós queremos mudar o perfil da Santa Casa de só entrar pelo pronto-socorro. Isso tem que ter uma mudança interna também. Às vezes, a pessoa não está tão grave assim, mas acaba entrando urgencializado por meio das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs). O que nós queremos é organizar essa porta, para que realmente só entrem as emergências, esse é o papel do pronto-socorro, e o restante entrar via ambulatório”, afirmou o superintendente de Relações Institucionais da Sesau, Antônio Lastória.

O representante da pasta explicou que a ideia é fazer com que o atendimento cirúrgico seja equilibrado no hospital, com 50% para eletiva e 50% para emergencial. “Para que no futuro a gente consiga inverter esses números e chegar a 80% eletiva e 20% emergência. Porque muito do que é feito na emergência é eletiva que não foi feita, então, não é fazer a mais, é tirar de um e colocar no outro, por isso que não impacta tanto. Mas para o hospital é mais barato fazer cirurgia eletiva”, afirmou Lastória.

Em entrevista, no mês passado, o diretor-presidente da Santa Casa, Esacheu Nascimento, afirmou que, por dia, o hospital realiza aproximadamente 200 cirurgias, e dessas apenas 50 são eletivas, ou seja, 25%. Ainda em outubro, por conta de um atraso no repasse da prefeitura e do governo do Estado, o hospital paralisou as eletivas por alguns dias porque, ainda segundo o diretor, o estoque de medicamentos não daria conta de atender os pacientes agendados e os da emergência. Os procedimentos foram retomados nesta semana.

De acordo com o superintendente da Sesau, a mudança no contrato com o hospital já era a intenção do município desde a contratualização fechada em julho, que tinha validade até o dia 31 de outubro deste ano. Nesse contrato, a Santa Casa havia se comprometido a fazer mais cirurgias eletivas, seriam 160 de pequena e média complexidade, 20 de alta na Unidade de Trauma e outras 20 oncológicas. Além disso, outros 34 leitos seriam disponibilizados para a área de clínica médica e alguns serviços de exames. 

Porém, a partir de agora, a Sesau quer o incremento de outras especialidades, como cirurgia geral, cirurgia ginecológica e otorrino, que estão entre as mais solicitadas na fila de espera por uma cirurgia eletiva.

A estimativa é de que 4 mil pessoas aguardam por um agendamento em Campo Grande. “Nós sabemos que eles dão conta da urgência, mas sobra o atendimento eletivo, então nós queremos isso, é o que a gente esperava do Hospital de Trauma”, disse Lastória sobre a situação.

FORMALIZAÇÃO

A reunião para entrega da proposta foi feita no mês passado, entre administração municipal, Santa Casa, Ministério Público do Estado (MPMS) e vereadores. Lastória afirma que os dirigentes do hospital concordaram com a proposta, que mantém os valores do contrato anterior, ou seja, a unidade continuará a receber R$ 294 milhões por ano. 

Para Lastória, apesar de o montante repassado ser grande, o recurso tem esse volume “porque o contrato é grande, o hospital é grande – é a quarta maior Santa Casa do País – e ele entrega uma demanda significativa de serviço, só que está passando por dificuldades”. O valor é dividido entre prefeitura, governo do Estado e governo federal.

A resposta final deveria ser entregue em 15 dias, porém, a direção do centro médico pediu mais prazo para analisar melhor o documento e se adequar às mudanças, que envolvem alterações no formato de trabalho do corpo clínico. Com isso, para que a Santa Casa não ficasse sem repasse neste mês, a contratualização foi prorrogada por mais 30 dias. 

“A gente quer afinar isso por meio de um convênio legal, que seja equilibrado financeiramente, mas que internamente ela (a Santa Casa) também se organize para nos oferecer aquilo que nós precisamos”, concluiu o superintendente da Sesau, que disse ainda esperar que a partir de 1º de dezembro o hospital já tenha novo contrato.

 

fONTE:Assessoria


Busca
Vídeos
Último evento
Entrevistas